You are currently viewing “Ser aliado não significa ser um cordeirinho”, diz Roberto

“Ser aliado não significa ser um cordeirinho”, diz Roberto

Vereador Roberto de Souza (PMDB) revela firmeza da base aliadaAcostumado a fazer oposição, sobretudo, no período de 2005 a 2008, ou seja, na primeira gestão do então prefeito de Ferraz de Vasconcelos, Jorge Abissamra (PSB), o Dr.Jorge, aliás, até a presente data ele continua um crítico ferrenho do ex-chefe do Poder Executivo, o presidente da Câmara Municipal (foto) Roberto Antunes de Souza (PMDB) que desde 2013 integra a base governista da atual administração, porém, engana-se quem pensa que por ser um aliado precisa dizer amém a tudo que se passa dentro do governo. Segundo ele, como governista cobra, mas, nem sempre é ouvido.

Com coerência, o presidente afirmou que apoia o governo municipal, contudo, nada o impede de apontar falhas, assim como, exaltar eventuais acertos da gestão comandada por Acir Filló dos Santos (PSDB), o Acir Filló. Como exemplo de sua discordância, Roberto de Souza cita o caso de ter defendido a abertura de uma auditoria nas contas da municipalidade para descobrir a verdadeira caixa-preta herdada do anterior logo no início de 2013, mas, não obteve êxito. A mesma iniciativa também fora por outro aliado de primeira hora, o tucano, Luiz Fábio Alves da Silva, o Fabinho.

Por outro lado, Roberto de Souza disse que respeita o trabalho da oposição ao atual gestor, todavia, pautado na experiência adquirida ao longo de sua carreira política e de policial civil, destaca que toda à denúncia contra o administrador público deve ser encaminhada ao Ministério Público (MP) e aos demais órgãos fiscalizadores, entre eles, o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP). “De 2005 a 2008, o grupo formado por mim e pelos colegas Marcos Antonio Castello (SDD), o Ratinho e José Izidro Neto (PMDB), atual vice-prefeito cansou de levar as barras da justiça um monte de irregularidades cometidas pelo ex-prefeito. Enfim, fizemos o nosso papel”, garante.

Lamentavelmente, ele reconhece que graças à existência de brechas na lei, aliado a morosidade habitual do Poder Judiciário e por contar com uma boa banca de advogados nem todas as falcatruas cometidas pelo ex-prefeito lograram o sucesso esperado, no entanto, tem consciência que em parceria com os companheiros fez a coisa certa. Por sua vez, na tribuna da Casa, na segunda-feira, dia 09, Roberto de Souza manifestou ainda sua preocupação com a situação da segurança pública em todas as esferas de poder. Para ele, o estado brasileiro está falido e, por isso, os criminosos tomaram conta de quase tudo.

                                               União

Atuando no setor há mais de 30 anos, Roberto de Souza acrescentou que concorda com a chamada desmilitarização das polícias. Para tanto, basta definir, claramente, a atribuição de cada corporação. Com isso, acabaria com o ego, sobretudo, de integrantes da alta cúpula das polícias e, em contrapartida, o cidadão de bem teria uma resposta ágil e eficiente. Além disso, o presidente voltou a elogiar o desempenho da Guarda Civil Municipal (GCM). Em sua opinião, a instituição local tem sido firme inclusive desarticulando quadrilhas de alto poder de fogo no mundo do crime.

Por Pedro Ferreira.