Prolongamento de linha circular 01 prejudica moradores do Parque Imperial

Vice-prefeito Izidro (1º esq), Natelson Ramos, Seu Juraci e moradores do Jardim São JoséA extensão da linha de ônibus circular 1 da estação ferroviária central até o bairro Cerejeira, onde funciona a Fundação Casa, no Cambiri, em Ferraz de Vasconcelos, está prejudicando moradores do Parque Imperial. Por isso, o vereador Roberto de Souza (PMDB) pediu de volta o retorno do itinerário original, isto é, até o Parque Imperial a Prefeitura Municipal. O assunto já havia sido discutido em reunião (foto), em18 de maio do corrente, no Jardim São José, pelo vice-prefeito, José Izidro Neto (PMDB), o assessor de Roberto de Souza, Natelson Domingos Ramos, o diretor de Relações Públicas da Radial, Juraci Vieira Salvador e moradores.  

Na realidade o pedido de Roberto de Souza atende a uma justa reivindicação de habitantes que fizeram inclusive um abaixo-assinado para justificar a possível alteração no itinerário atual. Para o vereador, fica claro que o prolongamento do percurso pela empresa concessionária Radial provocou sérios transtornos aos munícipes, já que, no momento,  eles são obrigados a ir até o bairro Cerejeira para somente depois chegar ao seu destino no Parque Imperial.

Ele destaca que a linha circular original foi criada no final da década de 90 por solicitação de moradores, entretanto, anos depois, a Radial aumentou o trajeto até onde a Fundação Casa. Com isso, o tempo da viagem cresceu de maneira absurda. Segundo ele, o tempo de espera nas paradas, hoje, pode atingir a quase 1h prejudicando, portanto, inúmeros usuários todos os dias. O itinerário da linha circular 1 inclui, por exemplo, a Avenida XV de Novembro e as Ruas José Conrado Nascimento, Nove de Julho, São Carlos, José Maria Claro, Miguel Dib Jorge e Gregório Slechticius, no Jardim São José.

 Além de cobrar o retorno do percurso inicial da linha circular 1, Roberto de Souza pede ainda a volta da linha que atendia a Chácara Bela Vista até o bairro da Cerejeira. A medida visa evitar prejuízo aos moradores daquelas localidades. No  documento, o vereador sugere também a colocação de cobradores, sobretudo, em horários de pico. Em sua opinião, o motorista que faz dupla função sujeita em risco a própria vida e a de passageiros, em geral. “Sem contar que o condutor/cobrador termina retardando a viagem, tendo em vista, que necessita ficar mais tempo parado para fazer a cobrança da tarifa”, conclui Roberto.