You are currently viewing Marcos BR cobra balanço parcial das atividades no hospital de campanha no Jardim Santa Rosa

Marcos BR cobra balanço parcial das atividades no hospital de campanha no Jardim Santa Rosa

A previsão inicial é que a Prefeitura de Ferraz de Vasconcelos invista em torno de R$5,3 milhões para instalar e manter por quatro meses, podendo ser prorrogado o hospital de campanha (foto), no Jardim Santa Rosa, porém, o vereador Antonio Marcos Atanazio (Solidariedade), o Marcos BR  resolveu solicitar um balanço parcial das atividades e dos custos financeiros desde a sua inauguração no dia 21 de maio até a presente data. O requerimento dele foi aprovado em única discussão, na segunda-feira, dia 29.

Nele, o parlamentar quer saber quantos atendimentos já foram feitos na central de triagem do hospital de campanha, o número de pessoas testadas contra a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), na central provisória e a quantidade de pacientes que utilizaram a ala de enfermaria e, ao mesmo tempo, dos que foram internados nos dez Centros de Terapia Intensiva (CTIs). Além disso, Marcos BR pediu ainda informações do percentual de óbitos e quantas pessoas foram curadas.

Segundo ele (foto), a implantação do hospital de campanha foi uma medida ousada da atual administração da cidade e, portanto, devido a sua importância nesse momento de enfrentamento a terrível crise sanitária porque passa a nossa cidade, o restante do país e do planeta sempre foi favorável à decisão adotada pela municipalidade. Em todo caso, mesmo apoiando desde o seu começo a construção da unidade hospitalar provisória, o vereador garante que sente-se no dever de fiscalizar o que está sendo feito no local.

“No fundo, nós vereadores somos cobrados nas ruas por moradores e, por isso, precisamos ter dados oficiais para podermos responder a todos os questionamentos de munícipes”, diz Marcos BR. Ele acrescentou ainda que a sua maior preocupação é com  o dinheiro público investido no hospital de campanha. O parlamentar também pontuou a falta de propaganda do local, ou seja, a população em geral não está sendo suficientemente esclarecida sobre a existência da central temporária contra a Covid-19.

Por Pedro Ferreira, em 01/07/20202.