You are currently viewing Texto que protege abelhas sem ferrão de planta invasora passa em primeira discussão

Texto que protege abelhas sem ferrão de planta invasora passa em primeira discussão

Para promover a preservação de abelhas contra a planta invasora, popularmente, conhecida como bisnagueira, tulipeira do gabão, xixi de macaco ou chama da floresta, a Câmara Municipal de Ferraz de Vasconcelos aprovou em primeira discussão o projeto de lei que proíbe a produção de mudas e o cultivo da árvore na cidade. O texto do vereador, Fábio Farias de Oliveira (PSL), o Fábio Wuhalla (foto), foi votado na segunda-feira, dia 23.

Para ele, o maior perigo é que a planta invasora costuma atrair as abelhas, porém, acaba matando por ser altamente venenosa. Com isso, a presença desse tipo de árvore, sobretudo, em região de mata atlântica prejudica o processo de polinização das abelhas. O vereador acrescentou ainda que existem até aplicativos para controlar o fluxo das colmeias por produtores de mel. Aliás, uma atividade vital na fabricação de alimentos no planeta.

De acordo com a matéria em tramitação, os proprietários de terrenos onde existem árvores já plantadas, terão um prazo de um ano, contado a partir da data de início da vigência da lei para realizar a substituição. Em caso de descumprimento, o texto prevê ao infrator o pagamento de multa de dez Unidades Fiscais do Município (UFM) por cada árvore ou muda, hoje, o equivalente a R$1.075,20. Já o vereador Luiz Fábio Alves da Silva (PSB), o Fabinho, elogiou o colega pela proposta.

Ainda, segundo a justificativa apresentada, uma das principais vítimas de tais plantas invasoras são as abelhas sem ferrão responsáveis por cerca de 80% do processo de polinização das culturas nativas. No fundo, este tipo de árvore possui flores com um néctar contendo substâncias tóxicas que atrai as abelhas e aves como, por exemplo, o beija-flor. Com isso, elas acabam causando a mortandade destes animais. Assim como, Fabinho, David Francisco dos Santos Júnior (PSD), o David Júnior enalteceu o texto por conservar a natureza.

Por Pedro Ferreira, em 24/08/2021.