You are currently viewing Teteco pede prioridade de mulheres com deficiência na prevenção ao câncer de mama

Teteco pede prioridade de mulheres com deficiência na prevenção ao câncer de mama

O vereador e vice-presidente da Câmara Municipal de Ferraz de Vasconcelos, Alexandro Santos Alves Silva (PSC), o Teteco (foto), sugeriu a prefeita da cidade, Priscila Gambale (PSD) para que determine o seu departamento competente a fazer estudos objetivando a inclusão de mulheres com deficiência em grupos prioritários de atendimento e nas campanhas de prevenção ao câncer de mama e ginecológico. A indicação foi apresentada na sessão ordinária, na segunda-feira, dia 31.

No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer (INCA), ligado ao Ministério da Saúde, estima que de 2020 a 2022, 66.280 casos de câncer de mama poderão ser registrados. Com isso, existe um risco projetado de 61,61% de novas ocorrências a cada 100 mil mulheres. Ainda, de acordo com o órgão, sem considerar os tumores de pele não melanoma, o câncer de mama feminino ocupa o primeiro lugar mais frequente em todas as regiões nacionais.

Já no planeta, esse tipo de doença é também mais incidente entre as mulheres. Em 2018, aconteceram 2,1 milhões de casos novos, o correspondente a 11,6% de todos os cânceres estimados. As maiores taxas foram computadas na Austrália e na Nova Zelândia. A conclusão do estudo é que independente da condição socioeconômica do país, a incidência dessa moléstia está entre as primeiras posições das neoplasias malignas femininas.

Em 2017, o Brasil registrou 16.724 óbitos por câncer de mama, isto é, um risco de 16,16% por 100 mil. Os principais fatores que contribuem para o aumento do perigo de desenvolver a doença são os genéticos (mutações dos genes) e hereditários (câncer de ovário na família). A menopausa tardia, a obesidade, o sedentarismo, fatores ambientais e comportamentais também ajudam no crescimento dos casos. Por isso, a prevenção continua sendo a melhor saída.

                                                           Vice-liderança

Já o câncer ginecológico é a segunda causa de morte no país, perdendo somente para as doenças cardiovasculares. Em contrapartida, o índice de cura pode atingir a 90% dependendo do tipo de neoplasia quando detectado de maneira precoce. Neste caso, a doença pode ser descoberta no exame de papanicolau.

Por Pedro Ferreira, em 02/06/2021.