You are currently viewing Dívida dos 50 maiores devedores passa de R$742,1 milhões e vereador que cobrança

Dívida dos 50 maiores devedores passa de R$742,1 milhões e vereador que cobrança

A dívida dos 50 maiores endividados da Prefeitura de Ferraz de Vasconcelos atinge a cifra recorde de mais de R$742,1 milhões computados até o dia 31 de março do ano passado. Os débitos incluem o montante principal, multas, juros e as correções monetárias no período. Na prática, a somatória global da dívida representa hoje exatamente dois orçamentos anuais da cidade. A lista dos grandes inadimplentes abrange, sobretudo, bancos, demais instituições públicas e privadas e pessoas físicas.

Por isso, como já fez, em 2020, o vereador Claudio Ramos Moreira (PT) voltou a questionar o Poder Executivo sobre o assunto. Na sessão ordinária semipresencial, desta segunda-feira, dia 22, o plenário da Casa aprovou um requerimento do petista cobrando, por exemplo, que a Câmara Municipal seja informada acerca de quais medidas efetivas estão sendo adotadas pela municipalidade objetivando a cobrança dos 50 maiores devedores.

Além disso, o parlamentar (foto) quer saber se a administração municipal possui no seu quadro de pessoal, profissionais habilitados para realizar esse tipo de procedimento, ou seja, auditores fiscais. Em caso negativo, o petista cobra se há uma previsão em andamento para finalmente sacramentar a contratação de tais especialistas por meio de concurso público. Para ele, a criação dessa equipe de profissionais é uma peça chave para apertar o cerco aos grandes inadimplentes e, com isso, melhorar a receita local.

No documento, Claudio Ramos enfatiza que a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) vem afetando terrivelmente a economia mundial e, por consequência, comprometendo cada vez mais a arrecadação municipal. “Em suma, as medidas restritivas para conter o avanço da doença, de fato, contribuíram para piorar o cenário econômico, porém, não é razoável que os nossos principais devedores continuem protelando o pagamento sob qualquer pretexto”, concluiu.

Por Pedro Ferreira, em 22/03/2021.