Renatinho pede a dispensa de profissionais da educação no período de pandemia

Renatinho pede a dispensa de profissionais da educação no período de pandemia

Hoje, auxiliares de creche, inspetores, secretários e merendeiras se encontram nas unidades escolares mesmo sem a presença de alunos e professores no local. Insatisfeito, o parlamentar Renato Ramos de Souza (PSDB), o Renatinho Se ligue (foto), solicitou para o Poder Executivo a dispensa dessa categoria de servidores durante a suspensão das aulas. A paralisação ocorre desde março por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19). 

Para Renatinho, não existe lógica em manter esses profissionais na escola já que suas funções estão diretamente ligadas à presença de alunos e professores. Além disso, existem diversos profissionais em atividade que fazem parte do grupo de risco e necessitam do transporte público para chegar as escolas, o que pode ampliar ainda mais as possibilidades de contágio entre si.

A princípio, a ideia é o trabalho eventual quando houver necessidade, tendo em vista, que existem casos de auxiliares de creche e professores que foram contaminados pelo Covid-19. “Solicitei hoje para que seja reavaliado o protocolo adotado pela Secretaria Municipal de Educação e que esses profissionais sejam convocados apenas quando houver real necessidade ou atividades especificas nas unidades escolares” informa o parlamentar.

Inconformado, Renatinho complementa: “manter merendeiras, auxiliares, inspetores de alunos e secretários todos os dias nas escolas fechadas chega a ser desumano, além de expor ao risco, esses profissionais, se forem infectados, podem sobrecarregar ainda mais o sistema de saúde público que hoje trabalha totalmente sobrecarregado”, diz o parlamentar.

A sugestão dada ao governo é para que a SME aproveite esse período complicado para investir em formação online especifica para cada área da educação e, portanto, que aplique o home-office em todos os setores possíveis.  “Merendeira sem merenda, inspetor de alunos sem alunos e auxiliar de creche sem criança, não dá e não há justificativa para isso” conclui. O oficio foi protocolado na manhã dessa segunda feira, dia 27.

Por Pedro Ferreira e assessoria do vereador, em 27/07/2020.

Compartilhe nas Redes Sociais:
Fechar Menu