You are currently viewing Vereadores resolvem questionar contratos da operação tapa-buraco e da merenda escolar

Vereadores resolvem questionar contratos da operação tapa-buraco e da merenda escolar

Há pouco tempo, solicitar o fechamento de buracos na cidade era uma ação bastante comum dos vereadores de Ferraz de Vasconcelos, porém, desta vez, um grupo de parlamentares resolveu pedir informações de todos os contratos firmados com a empresa terceirizada, referentes ao ano passado e até a presente data. O requerimento com essa finalidade foi aprovado em única discussão na sessão ordinária, nesta segunda-feira, dia 15.

No documento, os vereadores Alexandre Barboza dos Santos (Cidadania), o Professor Xandão, Eliel de Souza (PL), o Eliel Fox, Pedro Paulo da Almeida (PSB), o Professor Pedro e Claudio Ramos Moreira (PT) querem cópia das licitações, dos contratos, do contrato social da empresa contratada e dos comprovantes de pagamento até o momento. Além disso, eles questionam o cronograma de bairros e ruas onde serão executados os serviços de tapa-buracos e dos já realizados na cidade.

Subordinado a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos esse tipo de trabalho feito tem sido alvo de críticas desde o início da atual administração, em 2017. Aliás, por conta da péssima qualidade dos serviços prestados, o titular da pasta, Neudir Ferreira da Rocha já foi inclusive convocado duas vezes para fornecer explicações a Casa. Na ocasião, os pedidos partiram do vereador Renato Ramos de Souza (PSDB), o Renatinho Se Ligue. Em geral, os vereadores criticam o modo seletivo de fazer o serviço.

 Além disso, na sessão ordinária, os quatro parlamentares também apresentaram outro requerimento exigindo o mesmo tipo de situação descrita acima, mas relacionada à empresa fornecedora de hortifrutigranjeiros e da merenda escolar para os mais de 20 mil alunos da rede de ensino local. Para Xandão, infelizmente, a maioria de estudantes só vai à escola para comer. “É, na realidade, uma constatação chocante, no entanto, um grande percentual da nossa gente não tem o básico em casa para se alimentar”, diz.

Por Pedro Ferreira, em 15/06/2020.