Ativista negro propõe a criação de políticas afirmativas por Ferraz de Vasconcelos

Ativista negro propõe a criação de políticas afirmativas por Ferraz de Vasconcelos

Uma das principais referências da luta antirracista no país, o militante Rafael Pinto sugeriu a criação de políticas públicas afirmativas voltadas para o povo negro pela Prefeitura de Ferraz de Vasconcelos. Convidado especial, ele que reside na capital paulista participou do encontro chamado de Semana da Consciência Negra com Classe, na quinta-feira, dia 28, na Câmara Municipal, no centro. O evento foi organizado pelo vereador (centro) Claudio Ramos Moreira (PT).

De acordo com Rafael Pinto, a elaboração de leis municipais representaria um avanço formidável em benefício da comunidade negra. De um modo geral, o palestrante que é um dos fundadores do Movimento Negro Unificado (MNU), em 1978, em São Paulo, propôs a implantação de um SOS Racismo na Câmara Municipal de Ferraz de Vasconcelos, de cotas para negros na administração pública local e instituição de uma semana para celebrar as religiões de matrizes africanas, na cidade.

Além disso, Rafael Pinto (foto) defendeu ainda a destinação institucional de um espaço exclusivo contendo área de mata para membros de citado segmento religioso fazerem as suas oferendas dentro do contexto da política urbana e a criação de um fórum inter- religioso. O ativista recomendou também a apresentação de emendas ao orçamento local por vereadores para garantir a promoção de eventos como, por exemplo, a semana da consciência negra, diretamente, para a pasta da Cultura.

Rafael Pinto cobrou a valorização da educação básica e o cumprimento da lei federal nº 10.639/2003 que torna obrigatório o ensino de história e cultura afro-brasileiras nas escolas de todo o país. Para ele, o povo negro era 80% da população do Brasil há 130 amos e, hoje, supera apenas um pouco da metade dos mais de 200 milhões de habitantes, de acordo com o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Já o secretário de combate ao racismo do diretório estadual do Partido dos Trabalhadores (PT), Tiago Soares (foto-abaixo) disse que a discriminação velada contra o povo negro induz a sua própria história. Ele também criticou esse tipo de comportamento entre a própria comunidade negra como aconteceu na quarta-feira, dia 28, pelo recém-nomeado presidente da Fundação Palmares, Sérgio de Camargo. Na ocasião, o novo comandante do órgão afirmou que o racismo não existe no país.

O ato alusivo a Semana da Consciência Negra com Classe reuniu ainda militantes regionais, entre eles, um dos fundadores do Conselho Municipal da Promoção da Igualdade Racial de Poá (Compir), Honório Costa. O evento recebeu o apoio da Secretaria Estadual de Combate ao Racismo do PT, da Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), do Instituto Raízes, de Ferraz, da Central de Movimentos Populares (CMP) e do vereador, José Aparecido Nascimento (PT), o Aparecido Marabraz. Claudio Ramos agradeceu a presença de todos.

Por Pedro Ferreira, em 29/11/2019.

Compartilhe nas Redes Sociais:
Fechar Menu