You are currently viewing Inha lamenta a morte do ex-governador Alberto Goldman

Inha lamenta a morte do ex-governador Alberto Goldman

O vereador, Flavio Batista de Souza (PTB), o Inha (foto) lamentou a morte do ex-governador de São Paulo, Alberto Goldman (PSDB), na sessão ordinária, na segunda-feira, dia 02. O político tucano faleceu vítima de um câncer no domingo, no Hospital Sírio Libanês, aos 81 anos. O corpo foi velado na Assembleia Legislativa, na Ibirapuera e sepultado no Cemitério Israelita do Butantã, na capital paulista. Ele governou o estado de abril a dezembro de 2010. Como vice-governador, acumulou o cargo de secretário do Desenvolvimento.

Em seu discurso, Inha relembrou a ligação política de Alberto Goldman com a cidade de Ferraz de Vasconcelos, sobretudo, quando na condição de então ministro dos Transportes na gestão do saudoso presidente, Itamar Franco, em 1993, contribuiu para tirar do papel o projeto elaborado pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), em 1985, para a construção da estação ferroviária Antônio Gianetti Neto (foto), no Parque São Francisco. Na época, a União alegou a falta de dinheiro para não fazer a obra.

Diante do outrora sonho, um grupo de vereadores, entre eles, o ex-parlamentar por seis mandatos e principal braço político de Goldman na cidade durante várias décadas, Juracy Ferreira da Silva, José Luiz de Souza Neto, o Ite, Feliciano Batista de Souza, o Cici, pai de Inha e do saudoso, José Jorge Pinheiro foi até o Rio de Janeiro para tratar sobre o assunto, em 1993. Com isso, graças à determinação do ministro dos Transportes o projeto finalmente começou a ganhar corpo. Em 97, ele recebeu o título de cidadão ferrazense.

Além disso, nos anos seguintes, Goldman (foto) atuou para viabilizar a verba necessária, já que era deputado federal. Aliás, ele fora reeleito cinco vezes para o cargo, além de ter sido antes deputado estadual por duas vezes e secretário de estado inúmeras oportunidades. Após muita negociação política, em 10 de janeiro de 1998, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) inaugurou a estação, na ocasião, chamada ainda de Lajeado. Depois, em agosto daquele ano passou a denominar-se de Antônio Gianetti Neto. Por dia, em média mais de 20 mil usuários embarcam no lugar. Judeu, deixou a esposa Deuzeni, cinco filhos e quatro netos.

Por Pedro Ferreira, em 03/09/2019.