You are currently viewing Vereadores e prefeito vão cobrar companhia da PM a secretário

Vereadores e prefeito vão cobrar companhia da PM a secretário

Um grupo de vereadores e o prefeito de Ferraz, José Carlos Fernandes Chacon (PRB), o Zé Biruta vão se reunir com o secretário estadual da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, na próxima segunda-feira, dia 10, às 15h, em São Paulo. Na pauta, a solicitação de mais uma companhia da Polícia Militar, na região da Vila Santa Margarida. A audiência foi articulada pelo deputado estadual, Jorge Caruso (PMDB) a pedido do vereador  (foto) Antonio Marcos Atanazio (PMDB), o Marcos BR.

Além disso, a comitiva liderada pelo parlamentar também deverá cobrar o envio de mais policiais militares e de agentes civis para reduzir um pouco o déficit que há muito tempo complica o trabalho das forças de segurança pública na cidade. No encontro, os vereadores também pretendem reivindicar o encaminhamento de mais viaturas para reforçar, principalmente, o patrulhamento ostensivo pela PM, já que a presença de soldados circulando nas ruas e avenidas aumenta a sensação de segurança.

Em relação à cobrança pela possível criação de uma mais uma companhia da PM no chamado lado norte do município, os vereadores vão usar como argumentos para convencer o governo estadual a acatar o pleito o crescimento desenfreado da violência, o fato de a cidade ter quase 200 mil habitantes, porém, apesar desse contingente populacional conta, hoje, apenas com a 3ª Companhia da PM, na Vila Romanópolis.  A instalação da unidade é uma das bandeiras políticas capitaneada por Marcos BR.

Na verdade, o assunto não surgiu agora na atual legislatura, tendo em vista, que num passado recente a Câmara Municipal começou a pontuar a carência de mais uma companhia na cidade junto à cúpula da segurança pública estadual, porém, lamentavelmente, o Palácio dos Bandeirantes nunca deu a importância devida ao tema. A explicação talvez esteja associada ao fato de Ferraz de Vasconcelos não dispor de força política suficiente como, por exemplo, nunca eleger sequer um deputado estadual.

Por Pedro Ferreira, em 06/04/2017.