You are currently viewing Ferraz poderá criar patrulha para proteger mulheres agredidas

Ferraz poderá criar patrulha para proteger mulheres agredidas

Ferraz de Vasconcelos poderá criar uma equipe da Patrulha Maria da Penha para proteger mulheres locais vítimas de violência doméstica. A implantação da medida será feita pelo vereador (foto) Renato Ramos de Souza (PPS), O Renatinho Se Ligue. O pedido encontra-se protocolado no expediente da Câmara Municipal e poderá ser lido na próxima sessão ordinária, na segunda-feira, dia 13, a partir das 18h.

Na prática, a Patrulha Maria da Penha é um instrumento usado para dar apoio à aplicação da Lei com o mesmo nome na iminência de completar 11 anos em vigor no país. Dados de órgãos oficiais comprovam que na maioria dos casos de agressão a mulher acontece dentro de sua própria casa, ou seja, por companheiro, pai ou irmão. Portanto, o inimigo dela convive ao seu lado no dia a dia, o que dificulta a denúncia.

A Patrulha Maria da Penha é formada por guardas civis municipais que fazem visitas periódicas a casas de mulheres violentadas e que já receberam medidas protetivas pela justiça. Além disso, essa unidade especializada também realiza o policiamento em locais frequentados pelas vítimas justamente para garantir o cumprimento da ordem judicial. No Alto Tietê, Suzano é o pioneiro quando, em 2014, criou a sua equipe.

Com a Patrulha Maria da Penha ao perceber a presença do seu algoz a mulher deve acionar o 153 para que a viatura mais próxima possa ir de imediato ao local. Para Renatinho Se Ligue, a colocação em funcionamento desse tipo de atendimento exclusivo possui um significado prático muito relevante. Por isso, ele espera que a sua proposta seja estudada com a máxima brevidade.

Em sua opinião, como a cidade não conta sequer com uma Delegacia dos Direitos da Mulher (DDM) os índices de violência contra a mulher tendem a ser elevados. Por essa razão, Renatinho Se Ligue acredita que a Patrulha Maria da Penha será mais uma ferramenta importante para assegurar a segurança a moradora que se sentir ameaçada ou agredida de alguma maneira.

Por Pedro Ferreira.