You are currently viewing Vereadores aprovam moção contra a reorganização escolar

Vereadores aprovam moção contra a reorganização escolar

Vereador Claudio Ramos (PT) tem moção contra reorgnização escolar aprovadaPor unanimidade, a Câmara Municipal de Ferraz de Vasconcelos aprovou em única discussão moção de repúdio ao processo de reorganização em ciclos de escolas estaduais. A votação da matéria de autoria do vereador petista (foto) Claudio Ramos Moreira ocorreu na sessão ordinária, na segunda-feira, dia 19. Para ele, o Palácio dos Bandeirantes erra ao não procurar dialogar sobre as mudanças com professores, alunos e pais de um modo geral.

Ainda, de acordo com o parlamentar petista, a categoria vive dias de apreensão, justamente, por não ter conhecimento prévio do que poderá representar a adoção da medida no cotidiano de todos. Em todo caso, além de prejudicar a vida de estudantes, a reorganização defendida pelo governo estadual sinaliza para o fechamento de unidades educacionais. Além disso, a proposta poderá gerar desemprego de professores. Claudio Ramos pediu a atenção da Casa para acompanhar de perto o desenrolar dos fatos.

No caso específico de Ferraz de Vasconcelos, o governo estadual mantém 17 unidades de ensino e, por isso, especula-se que poderá acontecer o fechamento de pelo menos seis escolas, entre elas, a Professor Justino Marcondes Rangel, no Jardim Rosana, a Zélia Gattai, na Vila Corrêa e a Professora Olzanetti Gomes, na Vila Andeyara. Mesmo assim, a Secretaria de Estado da Educação promete divulgar o resultado de todo o processo de reestruturação em curso até o dia 23 de novembro próximo.

Coautor da moção de repúdio, o vereador Edson Elias Khorui (PSB), o Edson Cury disse que trata-se de uma medida impopular e criticou o fato de o professor não está sendo consultado antes da implementação da reorganização escolar. Já a petista e também professora Maria Simplício  Nascimento afirmou que a categoria trabalha sem condições. O socialista, Willians Santos, o Willians do Gás garantiu que enfraquecer o ensino público contribui para atrasar o desenvolvimento do País. Ele sugere mais investimento em cursos profissionalizantes.

Por Pedro Ferreira.