You are currently viewing Presidente quer a pintura de lombadas na XV de Novembro

Presidente quer a pintura de lombadas na XV de Novembro

Vereador Roberto de Souza (PMDB) quer pintura de lombadas na XV de NovembroO presidente da Câmara Municipal de Ferraz de Vasconcelos, vereador (foto) Roberto Antunes de Souza (PMDB) decidiu pedir a Prefeitura da cidade a pintura de todas as lombadas situadas na Avenida XV de Novembro. A solicitação do parlamentar em caráter de urgência ocorreu por meio de uma indicação apresentada na sessão ordinária, na segunda-feira, dia 17. Segundo ele, a falta de sinalização de redutores de velocidade na citada via pública está causando transtornos aos motoristas em geral.

Na mesma linha para melhorar a segurança no trânsito, na cidade, Roberto de Souza recomendou para a municipalidade a instalação de uma lombada na altura do número 13 da Rua D. João VI, na Vila Corrêa. No documento, o presidente alega que antes existia um redutor do tipo “tartaruga”, porém, com o recapeamento daquela via pública acabou ficando coberto. Por isso, muitos motoristas estariam entrando na Avenida Brasil, no sentido bairro-centro, em alta velocidade, o que aumenta o perigo de acidentes.

Outra preocupação do vereador Roberto de Souza diz respeito ao descarte irregular de lixo localizado entre as Ruas São Jorge e São José, no Jardim Castelo. Para tentar resolver o problema, o parlamentar cobrou a colocação de uma caçamba para acondicionar a grande quantidade de lixo no local e, ao mesmo tempo, atender a justa reivindicação de moradores. Afinal de contas, da forma como está sendo jogado o lixo pode acabar colocando em risco à saúde de munícipes em geral. Enfim, cabe ao departamento competente da administração tratar de instalar o quanto o equipamento.

Situação semelhante ocorre também no trecho da Avenida XV de Novembro, esquina com a Rua São Carlos, situada no mesmo bairro. Em virtude disso, o vereador Roberto de Souza propôs ao governo municipal a colocação de uma caçamba. Além disso, ele pede a comunidade para que colabore, ou seja, evite descartar o lixo em qualquer lugar e, com isso, não contribuir para piorar ainda mais as condições de saneamento na cidade. “Não adianta apenas o poder público fazer a limpeza e o morador continuar depositando o seu lixo de todo o jeito. É, na verdade, uma questão de educação e o munícipe deve denunciar o despejo”, conclui Roberto de Souza. .

Por Pedro Ferreira.