You are currently viewing Ocupação de áreas nas divisas é discutida em São Paulo

Ocupação de áreas nas divisas é discutida em São Paulo

Vereador Edson Cury (1º esq), vereador Police Neto (dir) e assessor (centro)Com a finalidade de discutir alternativas para evitar a ocupação de áreas de maneira irregular, principalmente, em bairros que fazem divisa com o município de São Paulo, o vereador de Ferraz de Vasconcelos, Edson Elias Khouri (PSB), o Edson Cury, reuniu-se (foto-1º esq) com o parlamentar paulistano, José Police Neto (PSD), na segunda-feira, dia 11, na capital. Na prática, a possível solução para esse grave problema pode ser inserida na revisão da lei de zoneamento em curso, em São Paulo.

Já no caso ferrazense, a saída pode estar concentrada no novo plano diretor participativo da cidade em fase de conclusão. Aliás, o principal eixo do projeto em andamento pela Prefeitura Municipal por meio da Fundação de Estudos e Pesquisas Aquáticas (Fundespa) aponta a regularização fundiária como prioridade absoluta. De acordo com Edson Cury, no encontro, em São Paulo, a discussão abrangeu, sobretudo, as invasões nas divisas com Guaianases, Cidade Tiradentes e o Itaim Paulista. O vereador Police Neto colocou-se a disposição para ajudar no que for possível.

Para Edson Cury, o debate a respeito desse tema precisa ser pensado e enfrentado levando em consideração o contexto metropolitano, ou seja, não adianta a capital paulista tentar sanar o seu problema referente às ocupações ilegais em bairros limítrofes com outros municípios e, em contrapartida, a cidade vizinha também não fizer o mesmo tipo de ação. “Na realidade, o combate a esse impasse habitacional tem de ser feito de forma conjunta entre os poderes públicos”, comenta Edson Cury.

Em Ferraz de Vasconcelos, segundo um levantamento elaborado por técnicos da Fundespa, o município contabiliza 77 áreas ocupadas sem a devida obediência aos preceitos legais. Além disso, o novo plano diretor participativo fez um completo mapeamento do município que será fundamental para viabilizar o planejamento da cidade nos próximos 20 anos. Por força de contrato, o projeto deverá ser finalizado até o final de junho deste ano.

Por Pedro Ferreira.