You are currently viewing Vereador protesta contra não reconstrução de muro escolar

Vereador protesta contra não reconstrução de muro escolar

Muro caido da EMEF Myriam Alcmkin, no Castelo BrancoA demora na reconstrução do muro (foto) da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Myriam Penteado Rodrigues Alckmin, na Rua Rafael Anunciato, 255, no Conjunto Residencial Presidente Castelo Branco, em Ferraz de Vasconcelos, motivou o vereador Willians Santos (PSB), o Willians do Gás, a perder a paciência com o Poder Executivo que prometera refazer a obra o quanto antes. Na Tribuna, na segunda-feira, dia 16, visivelmente, irritado com a situação vexatória, o vereador que faz parte da base aliada não poupou críticas ao prefeito municipal, Acir Filló dos Santos (PSDB), o Acir Filló.

Para ele, a administração da cidade está de brincadeira com o caso, já que, o muro situado no lado paralelo a Rua José do Patrocínio desmoronou por inteiro, no dia 13 de fevereiro passado, mas, apesar da cobrança da direção da escola e dele próprio nada foi feito até agora para resolver o grave problema. “Na realidade, já estive várias vezes no local e, além disso, conversei com o prefeito sobre o assunto, porém, tudo não passou de balela, ou seja, o pessoal da EMEF Myriam Alckmin, que, inclusive o nome é uma homenagem à mãe do nosso ilustre governador do Estado de São Paulo continua aguardando providências até quando eu não sei por que já passou da hora”, dispara Willians do Gás.

Vereador Willians do Gás (PSB) irritado com lentidão na reconstrução de muroEm sua opinião (foto), a lentidão, fatalmente, causada pela falta de vontade política para mandar executar a reconstrução do muro está contribuindo para aumentar a insegurança de alunos, professores, coordenadores e de pais, tendo em vista, que a EMEF ter ficado vulnerável a ação de vândalos. A extensão da obra é de cerca de 100 metros, no entanto, o descaso é tanto que mais parece tratar-se de um tamanho gigantesco. Como paliativo, a Prefeitura Municipal escalou guardas patrimoniais para efetuar a vigilância no local, contudo, a medida não é suficiente. Afinal, na Myriam Alckmin estudam 1,2 mil alunos e mais de 150, à noite, no Ensino de Jovens e Adultos (EJA), esses últimos talvez os mais prejudicados com a ausência do muro.

Quadra incompleta da EMEF Myriam AlckminAliás, boa parte de estudantes do EJA esteve na última sessão ordinária, na segunda-feira, para pressionar os vereadores a exigir providências imediatas à municipalidade. Além disso, Willians do Gás criticou a não conclusão da quadra (foto) da unidade, já que, o espaço não dispõe de alambrados, de traves, de cesta de basquete e do portão de entrada. Em apoio ao descontentamento de Willians do Gás, o presidente da Casa, Roberto Antunes de Souza (PMDB) chegou inclusive a sugerir que a ida em massa de vereadores acompanhados do prefeito, Acir Filló nos próximos dias para, finalmente, solucionar, de fato, o drama da reconstrução do muro. Nos bastidores, comenta-se que não está descartada a suspensão de aulas devido à situação de completa insegurança na EMEF Myriam Alckmin.

Por Pedro Ferreira.