You are currently viewing Em 2014, arrecadação de Ferraz quase perde para despesa

Em 2014, arrecadação de Ferraz quase perde para despesa

Vereadores (direita) na audiência pública das metas fiscaisEm 2014, a Prefeitura Municipal de Ferraz de Vasconcelos arrecadou um pouco mais de R$251,1 milhões, porém, no período, as despesas ficaram muito próximas chegando a R$249,3 milhões. Mas, isso não quer dizer nenhum superávit, já que, existem restos a pagar. Os números foram divulgados pela Secretaria Municipal da Fazenda na audiência pública (foto) referente ao cumprimento das metas fiscais pela municipalidade no 3º quadrimestre do ano passado. A prestação de contas ocorreu nesta quinta-feira, dia 27, no Legislativo, no centro.

Ainda, de acordo com a pasta, o sinal de alerta de que o Poder Executivo precisa apertar ainda mais cerco, no tocante, a relação receita/despesa pode ser sintetizado no gasto com a folha de pessoal, já que, nos 12 meses aplicaram-se R$128,7 milhões, o correspondente a 53,02% quando o limite prudencial recomendado é de até R$124,6 milhões, isto é, de até 51,30%. Por isso, o secretário Michael Campos Cunha disse que a administração da cidade vem tentando a todo custo equilibrar o seu fluxo de despesa com o da receita, efetivamente, arrecadada.

 Apesar do cenário sombrio, a secretaria acredita que a saúde financeira da municipalidade está reagindo bem, sobretudo, após forte contenção de gastos iniciada no começo deste ano, incluindo a demissão de funcionários comissionados. “Estamos equilibrando as nossas finanças, ou seja, reduzindo as despesas e, ao mesmo tempo, aumentando a receita. Em síntese, a pasta está empenhada nessa verdadeira empreitada”, comenta Michael Cunha. Uma prova desse esforço é que este ano, estima-se obter quase R$25 milhões com o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), contra os R$17,2 milhões, em 2014.

Esse possível aumento com a cobrança do IPTU é fruto da atualização na área construída de alguns imóveis. Em contrapartida, a Prefeitura Municipal cumpriu a meta de investir o mínimo constitucional de 25% em Educação ao aplicar, no período, R$38,3 milhões contra os R$27,3 milhões exigidos. O mesmo saldo positivo, a administração alcançou na área da Saúde, tendo em vista, ter disponibilizado R$32,8 milhões contra os R$22,3 milhões. Nestes casos, respectivamente, a municipalidade conseguiu 25,98% e 21,98%, este último de uma obrigatoriedade de 15%.

                                   Reconhecimento

Presidente da CPOFC, vereador Quequê (PSDB)Por sua vez, o presidente da Comissão Permanente de Orçamento, Finanças e Contabilidade (CPOFC) da Casa, Clenilson Lima Dias (PSDB), o Quequê (foto) agradeceu a presença do secretário e de sua equipe, assim como, dos demais colegas, de servidores e da comunidade, em geral. Além dele, também faz parte da comissão, o relator, Luiz Tenório de Melo (PR) e o membro, Walter Marsal Rosa (PROS), o Valtinho do Ipanema.

Por Pedro Ferreira.