You are currently viewing Comissão do Samu ganha mais 90 dias de prazo

Comissão do Samu ganha mais 90 dias de prazo

Presidente da CEI do Samu, Roberto de Souza pede mais tempoA Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara Municipal de Ferraz de Vasconcelos criada para apurar supostas irregularidades por servidores do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) acaba de ser prorrogada por mais 90 dias. O requerimento de autoria do seu presidente, vereador (foto) Roberto Antunes de Souza (PMDB) foi aprovado, por unanimidade, na última sessão ordinária, na segunda-feira, dia 11.

Aberta, em março do ano passado, quando estourou a chamado escândalo dos “Dedos de Silicone”, a CEI do Samu focou o seu trabalho nos últimos meses na análise dos documentos referentes à quebra dos sigilos bancários e fiscais do então coordenador do órgão, Jorge Luiz Cury e da médica flagrada marcando o ponto eletrônico com os artefatos citados acima, Thauane Ferreira Nunes. Na prática, o cruzamento da movimentação financeira da dupla é uma etapa vital para à conclusão da investigação.

Cauteloso, Roberto de Souza reitera que o processo de apuração vem sendo feito de forma criteriosa e, portanto, a maior preocupação da CEI do Samu é comprovar, de fato, a verdade do caso. Por isso, o prazo de funcionamento da comissão fora esticado por mais três meses para que tudo seja efetuado sem pressa e, ao mesmo tempo, evitar eventuais falhas na investigação. De antemão, o presidente deixa claro que o período de vigência da CEI do Samu é o que menos importa nesse momento.

Além de concluir o estudo dos sigilos bancários e fiscais dos médicos Jorge Cury e Thauane Ferreira, a comissão prepara-se agora para ouvir, novamente, os depoimentos de mais dois médicos envolvidos no episódio e de um ex-servidor da Prefeitura Municipal. Em princípio, a CEI do Samu havia encerrado a fase de oitivas, porém, mudou de ideia a partir do momento em que recebeu cópias dos depoimentos dados a Seccional, de Mogi das Cruzes. As oitivas devem ocorre até o final deste mês.

Por Pedro Ferreira.