You are currently viewing Vereadores tentam saber se número de policiais militares é suficiente

Vereadores tentam saber se número de policiais militares é suficiente

Vereador Quequê (PSDB), busca informação sobre o número de policiaisEm requerimento aprovado, por unanimidade, na penúltima sessão ordinária da Câmara Municipal de Ferraz de Vasconcelos, na quinta-feira, dia 06, os vereadores querem saber do comando do 32º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano (32º BPM/M), de Suzano, o número de soldados que atuam no município. O questionamento é de autoria do vereador (foto) Clenilson Lima Dias (PSDB), o Quequê, no entanto, o documento também foi assinado pelo restante dos parlamentares.

No ofício a ser encaminhado nos próximos dias ao comandante interino do 32º BPM/M que também pelo policiamento, em Poá, major Felício Famiaki Kamiyama, a Câmara Municipal pede ainda informações sobre a quantidade de policiais que trabalham em rondas ostensivas em ruas do município e, ao mesmo tempo, do percentual designado para o setor administrativo da 3ª Companhia de Ferraz de Vasconcelos. Na atualidade, a 3ª Cia., é comandada pelo capitão Luiz Carlos Rodrigues.

Por fim, o Poder Legislativo indaga ao comandante do 32º BPM/M se o número de policiais em atuação no município é condizente para atender toda a demanda existente de um universo de quase 200 mil habitantes. No documento, a Casa evidencia a sua preocupação com o crescimento da violência na cidade, sobretudo, a onda de assaltos, atos de vandalismo e o aumento do tráfico de entorpecentes. Aliás, os altos índices de criminalidade têm sido alvo de críticas constantes de vereadores em geral.

Segundo o vereador Quequê, com base na resposta do 32º BPM/M será possível às autoridades locais desencadearem ações políticas para pressionar o governo estadual a aumentar o efetivo de policiais militares no município. “Com a escalada da violência em todos os níveis não podemos continuar de braços cruzados. Afinal, oferecer segurança pública é um dever do Estado e um direito de todo o cidadão. Em suma, a sociedade pede socorro”, complementa Quequê.

Por Pedro Ferreira.