You are currently viewing Edson Cury evita valor abusivo na cobrança da taxa de bombeiros

Edson Cury evita valor abusivo na cobrança da taxa de bombeiros

Vereador Edson Cury evita abuso em taxaAlém de ser favorável ao projeto de lei complementar que cria a Taxa de Serviço de Bombeiros (TSB) para bancar o atendimento da unidade, em Ferraz de Vasconcelos, o vereador (foto) Edson Elias Khouri (PSB), o Edson Cury, teve o mérito de ir a Tribuna, na segunda-feira, dia 16, para levantar e, ao mesmo tempo, questionar possíveis exageros na cobrança do tributo contra moradores e empresários de um modo geral. Além disso, ele cobrou transparência na aplicação da taxa. O projeto deverá ser votado em segundo turno em sessão extraordinária no próximo dia 26, às 10h.

Como um dos critérios para a cobrança da TSB é o tamanho da área construída, Edson Cury usou como exemplo o caso de um contribuinte empresário cuja fábrica esteja instalada numa área de 20 mil metros quadrados. Neste caso, pelo texto original, o proprietário teria de pagar, aproximadamente, R$20 mil por ano, o que, de fato, representa um valor exorbitante. Por isso, aproveitando o argumento de Edson Cury, o colega e empresário, Aurélio Costa de Oliveira (PPS), o Aurélio Alegrete, sugeriu a criação de um redutor.

Na mesma linha de raciocínio, Edson Cury propôs a possibilidade de a Prefeitura Municipal isentar da taxa os donos de apartamentos da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU). Com isso, tanta a ideia de se estabelecer um limite máximo, assim como, a concessão da possível anistia aos proprietários de apartamentos da CDHU deverão estar previstas na regulamentação da presente lei. Aliás, presente na sessão ordinária, o prefeito da cidade, Acir dos Santos (PSDB), o Acir Filló, assumiu o compromisso público de acatar as duas sugestões. Para ele, a tava é impopular, mas, inevitável.

Também acompanhando a votação da matéria, o comandante do 2º Subgrupamento do Corpo de Bombeiros, de Suzano, capitão PM Alexandre de Castro Costa, primeiramente, agradeceu o voto dos vereadores e depois garantiu que as mudanças no projeto de lei complementar são legítimas e, portanto, podem ser adotadas pela administração no momento oportuno. Para ele, a manutenção da unidade no município terá um custo anual aproximado de R$1,3 milhão. Por conta da inadimplência do IPTU, ele teme que o montante previsto não seja alcançado e a saída será o Executivo fazer o aporte do restante.

Por Pedro Ferreira.