You are currently viewing Comissão espera a remessa de material para iniciar relatório final

Comissão espera a remessa de material para iniciar relatório final

Vereador Roberto de Souza diz que espera o envio de material pela JustiçaA Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara Municipal de Ferraz de Vasconcelos criada para investigar supostas irregularidades na marcação do ponto eletrônico por médicos do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) aguarda o envio de documentos referentes ao sigilo telefônico e bancário dos médicos, Jorge Luiz Cury e Thauane Nunes Ferreira. A informação foi dada pelo presidente da CEI do Samu, vereador (foto) Roberto Antunes de Souza (PMDB), na segunda-feira, dia 05.

De acordo com ele, com a remessa do material solicitado à Justiça, o grupo de vereadores que apura o chamado “Escândalo dos Dedos de Silicone” deverá começar a produzir o relatório final. Com isso, o resultado conclusivo será encaminhado aos órgãos competentes para as devidas providências. Caso, de fato, ficar constatada a malversação do dinheiro público, a CEI do Samu pretende sugerir o ressarcimento do dinheiro público.

Para Roberto de Souza, a comissão tem feito um trabalho sério e dentro da legalidade. Aberta em 12 de março deste ano, a CEI do Samu já ouviu cinco médicos implicados, 13 funcionários do órgão, três do Departamento de Recursos Humanos da Prefeitura Municipal e dois do RH da Saúde. Até agora, todos os depoimentos apontam o ex-coordenador do serviço, Jorge Cury como o principal mentor do suposto esquema. Aliás, o médico e sua filha Aline Monteiro ainda não foram ouvidos apesar de terem sido notificados por três vezes.

Na prática, a dupla baseia-se na legislação vigente que obriga a intimação pessoal, o que tem sido inviável até a presente data para lamento da CEI do Samu. Para Roberto de Souza, as leis costumam ser favoráveis, principalmente, as pessoas que podem pagar bons advogados. “Na verdade, o Poder Judiciário sempre que acionado deu a sua resposta, mas, o magistrado também é escravo da mesma legislação. Apesar das dificuldades inerentes ao caso, estamos fazendo o nosso papel”, assegura.