Enfermeira depõe e diz que então coordenador do Samu tinha aparência de profissional modelo

Enfermeira depõe e diz que então coordenador do Samu tinha aparência de profissional modelo

Membros da CEI do Samu após os depoimentos de testemunhasA coordenadora da área de enfermagem do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Ferraz de Vasconcelos, Paula Alessandra Soares de Brito, prestou depoimento a Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara Municipal (foto) que investiga o suposto escândalo dos dedos de silicone por médicos, na quarta-feira, dia 08. Segundo ela, além de comandar enfermeiros, auxiliares e telefonistas, também faz a digitação da escala de plantões médicos.

Para a enfermeira-chefe do Samu local, o coordenador afastado do órgão e principal acusado de idealizar a possível fraude na marcação do ponto biométrico, em vigor desde 11 de fevereiro de 2011, Jorge Luiz Cury, “dormia” no trabalho, ou seja, vivia transformando a sede do serviço em sua própria casa. Ela afirmou aos membros da CEI que o médico passava uma imagem de profissional exemplar, porém, os fatos revelados a partir de 10 de março deste ano demonstram, exatamente, o contrário.

Firme em seu depoimento, Paula Soares disse que ficou sabendo do escândalo por meio de uma subordinada no dia do flagrante da médica, Thauane Nunes Ferreira. Ainda, de acordo com a enfermeira-chefe, o assunto era mantido em segredo a todo custo pelos médicos implicados, principalmente, porque Jorge Cury sempre se reportava aos colegas às portas fechadas. Ela aproveitou a oitiva para comentar sobre a falta de regularização da estrutura administrativa do Samu, já objeto de ação do Ministério Público (MP). A enfermeira acrescentou ainda que é uma apaixonada pelo trabalho.

Além dela, a CEI do Samu ouviu também o depoimento da agente administração do Departamento de Recursos Humanos (DRH) da Prefeitura Municipal, Sirlei de Souza, responsável pela folha de pagamento, o lançamento de horas-extras e a computação de faltas de servidores, incluindo os do Samu. Já a ficha de frequência fica a cargo da servidora, Ariane de Oliveira, que, apesar de notificada não compareceu para dá a sua versão de testemunha. Na realidade, nos últimos minutos, a comissão fora informada pelo RH que a mesma encontra-se em gozo da licença prêmio.

                                                           Desrespeito

Por isso, o presidente da CEI do Samu, Roberto Antunes de Souza (PMDB) afirmou que vai cobrar uma explicação oficial da chefe do DRH, Márcia Aparecida Peres, que, inclusive já prestou os seus esclarecimentos sobre o viável esquema. Segundo a comissão tomou conhecimento, a funcionária Ariane de Oliveira entrou em férias na segunda-feira, dia 06, isto é, já intimada para depor, mas, sequer enviou uma justificativa prévia. Além disso, integrantes da CEI vão averiguar mais documentos “in loco” no DRH nos próximos dias.  No fundo, o material não fora encaminhado.