You are currently viewing Comissão vai acompanhar projeto do Corredor Metropolitano

Comissão vai acompanhar projeto do Corredor Metropolitano

Mesa Diretora propõe a criação de comissão para acompanhar Corredor MetropolitanoPara acompanhar os trâmites necessários do futuro Corredor Metropolitano que ligará o município de Ferraz de Vasconcelos, a Poá, a Itaquaquecetuba e a Arujá, a Mesa Diretora (foto) da Câmara da Municipal apresentou e o plenário aprovou em única discussão o projeto de resolução criando uma Comissão de Assuntos Relevantes (CAR). A votação do texto ocorreu na segunda-feira, dia 15. O ato administrativo que oficializa os membros da comissão poderá sair nos próximos dias.

 Com isso, a comissão será formada por cinco vereadores e terá um prazo de 30 dias de funcionamento, no entanto, esse período poderá ser prorrogado, conforme o Regimento Interno (RI) da Casa. Um dos assinantes da referida CAR, o vereador Antonio Carlos Alves Correia (PSD), o Tonho, disse que a construção do Corredor Metropolitano pelo governo estadual deverá afetar, diretamente, os moradores da Rua Albino Francisco de Figueiredo, na Vila Santa Margarida.

Na realidade, para a execução do projeto, o governo de São Paulo vai precisar efetuar algumas desapropriações de imóveis e, neste caso, os munícipes poderão ser prejudicados com a medida, já que, alguns talvez não tenham como comprovar a posse de suas casas. “O Corredor Metropolitano será sem dúvida alguma uma obra viária muito importante para os quatros municípios, porém, tudo necessita ser feito com o devido cuidado para evitar prejuízos aos moradores envolvidos”, comenta Tonho.

O petista Claudio Ramos Moreira afirmou também que está muito preocupado com o pode acontecer com os munícipes ferrazenses. Ele cita como exemplo o que está ocorrendo no caso do Rodoanel, principalmente, em Poá e Suzano. Nas duas cidades, os moradores estão tendo dificuldades para receber a indenização porque não têm título de propriedade. Já o presidente da Câmara Municipal, Luiz Fábio Alves da Silva (PSDB), o Fabinho, garantiu que o assunto exige muita cautela e, por isso, caso seja pertinente, a instituição poderá inclusive realizar um audiência pública para discuti-lo.