You are currently viewing Médicos acusam o coordenador afastado do Samu de providenciar próteses de silicone

Médicos acusam o coordenador afastado do Samu de providenciar próteses de silicone

Os médicos Ronnie Munis de Oliveira e Rodrigo Gil de Castro Jorge prestaram depoimento a Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara Municipal de Ferraz de Vasconcelos criada para apurar a suposta fraude no sistema de ponto digital do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), nesta quarta-feira, dia 03. Aos membros da comissão (foto), os dois profissionais acusamMembros da CEI do Samu dão detalhes de depoimentos de médicos o coordenador afastado do Samu, Jorge Luiz Cury de mandar fazer a confecção das próteses de silicone.

Para Ronnie de Oliveira, tudo começou quando ele precisou fazer um curso de especialização no início do ano passado. Na época, ele pediu ao coordenador a troca do plantão, mas, teve a sua solicitação negada e, neste caso, o médico Jorge Cury sugeriu a fabricação do dedo de silicone. Ainda, segundo ele, o próprio coordenador ficava com o artefato. Com isso, como Jorge Cury o substituía em alguns plantões, ele era obrigado a repassar de R$1,2 a R$2 mil por mês.

Além disso, o profissional descobriu que o coordenador utilizava a sua prótese de silicone para fazer horas extras, o que gerava uma renda de até R$3 mil mensais, igualmente, transferida por via eletrônica. Por sua vez, o médico Rodrigo Gil de Castro foi mais além ao acusar Jorge Cury de também receber parte do seu 13º salário. O referido médico culpou ainda o então coordenador de usar senhas pessoais de outros médicos para burlar o ponto eletrônico e ganhar por plantões ou horas extras.

Em seus depoimentos, os dois médicos foram taxativos ao garantir que Jorge Cury agia de forma autoritária e, ao mesmo tempo, vivia coagindo de alguma maneira os servidores do Samu em geral. Para eles, a intimidação de funcionários era uma prática comum do coordenador aos seus subordinados. Ainda, de acordo com eles, qualquer profissional que discordasse de tal comportamento era, imediatamente, perseguido e ameaçado de demissão. Alguns inclusive pediram dispensa por não suportar a pressão.

                                                           Revelação

O presidente da CEI do Samu, Roberto Antunes de Souza (PMDB) destacou que os depoimentos dos médicos apresentaram novidades a investigação e, portanto, compete aos vereadores aprofundarem ainda mais a apuração para chegar à verdade dos fatos. Ele adiantou que nos próximos dias a comissão deverá reunir-se para definir a convocação de outros médicos do Samu implicados no possível esquema e de funcionários.