You are currently viewing Em depoimento, médica do “Caso Samu”  confirma que era forçada por coordenador

Em depoimento, médica do “Caso Samu” confirma que era forçada por coordenador

Após depoimento, Roberto de Souza concede enrevista a imprensaA médica acusada de fraudar o sistema de marcação de ponto eletrônico de colegas no Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) de Ferraz de Vasconcelos, Thauane Nunes Ferreira, de 28 anos, ratificou em depoimento a Comissão Especial de Inquérito (CEI) da Câmara Municipal aberta para apurar o suposto esquema que era obrigada a fazer o procedimento pelo então coordenador do órgão, Jorge Luiz Cury. O depoimento da implicada ocorreu nesta terça-feira, dia 26. Já o escândalo veio à tona, em 10 de março do corrente. Para o presidente da comissão (foto) Roberto Antunes de Souza (PMDB), a investigação visa apenas encontrar a verdade dos fatos.

Acompanhada de dois advogados, Thauane Nunes prestou esclarecimentos à comissão por cerca de 2h. Aparentando tranquilidade, a médica disse que começou a atuar no Samu de Ferraz, no final de 2011. Segundo ela, no começo os seus plantões por 24, sempre aos domingos eram assinados em livro próprio, porém, em meados do ano passado, passaram a ser feitos por sistema digital. Para ela, o coordenador licenciado tirou o molde para que fosse confeccionado o dedo de silicone dela. Além dela, mais cinco médicos usavam o artifício para marcar o ponto eletrônico.

Thauane Nunes afirmou ainda que recebia R$1,2 mil por cada plantão, mas, admite que chegara a trocar escalas de trabalho com o próprio Jorge Cury, principalmente, no período em que fazia curso de especialização. Ela negou que recebesse alguma vantagem financeira com a possível falsificação de presença de colegas. “A minha única vantagem era ser mantida no meu emprego e não tinha noção da gravidade”, confessa. De maneira espontânea, a médica entregou a comissão 27 comprovantes de Transferência Direta Disponível (TED) na conta de Jorge Cury.

Em virtude das declarações da médica, a CEI do Samu decidiu que vai pedir a Justiça à quebra dos sigilos bancário e telefônico dela e do coordenador afastado. Além disso, o grupo pedirá a Prefeitura Municipal cópia de holerites de médicos envolvidos na suposta fraude retroativa havia um ano. A deliberação das solicitações e a definição sobre a convocação de médicos acusados será discutida em reunião nesta quarta-feira, dia 27, às 9h. “A partir de agora deveremos aprofundar ainda mais a nossa apuração por termos em mãos fortes indícios da suposta fraude”, conclui Roberto de Souza.