Squizato reclama a saída de psiquiatra infantil de posto

O vereador Claudio Roberto Squizato (PSB) resolveu pedir providências em relação à falta de um psiquiatra infantil após o seu desligamento da rede municipal de saúde, em maio deste ano. O especialista atendia de 30 a 40 crianças na Unidade Básica de Saúde (UBS), na Vila Santo Antônio. Segundo ele (foto), trata-se de um profissional altamente qualificado, no entanto, mesmo assim nada foi feito para mantê-lo no quadro de servidores.

Ainda, de acordo com Claudio Squizato, por absoluto amor as crianças mesmo depois do fim do contrato de trabalho, o médico especialista continuou atendendo seus pacientes, todavia, chegou um momento em que não pôde permanecer prestando o seu importante serviço a filhos de ferrazenses. Com isso, o estado de saúde de pacientes especiais pode ter piorado “Na verdade, por diversas vezes, alertei o Poder Executivo sobre o assunto, porém, a minha reclamação não encontrou respaldo”, critica Squizato.

Como o processo de admissão só deve acontecer por meio de um concurso público e, no momento, a municipalidade não possui condições financeiras para adotar tal medida, já que a folha de pagamento está acima do limite prudencial de 51,30%. O teto máximo é de 54% conforme determina a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Até poucos meses, a administração da cidade vivia estourando esse freio legal. A saída então seria o Executivo contratar uma Organização Social (OS) para gerenciar o serviço.

Para passar a limpo a falta de um psiquiatra infantil no posto de saúde, na Vila Santo Antônio, Claudio Squizato elaborou um requerimento que foi aprovado, por unanimidade, na segunda-feira. Nele, o vereador pergunta a razão porque ocorreu o encerramento do contrato de trabalho do profissional. Além disso, ele quer saber também se a paralisação do atendimento é temporária e se existe alguma previsão para o retorno do serviço. O governo tem 15 dias para responder os questionamentos.

Por Pedro Ferreira, em 10/10/2017.

Veja Também

Ferraz tenta gastar mais R$1,6 milhão carimbado até dezembro

Apesar da existência de 32.100 famílias cadastradas nos quatro Centros de Referência de Assistência Social …